As janelas de oportunidade e o papel da Educação Infantil no séc. XXI

Institucional > Espaço de reflexão

Até o começo da década de 80, pré-escolas eram identificadas pelas famílias como lugares para os quais as mães - então cada vez mais próximas do mercado do trabalho - recorriam para deixar seus filhos durante parte do dia. Na década de 90, a "pré-escola", já melhor denominada Educação Infantil, começou a mudar de status na sociedade - principalmente pelo esforço das melhores escolas, que há muito já haviam incorporado novas concepções acerca da aprendizagem e do desenvolvimento emocional. Agora, as recentes descobertas a respeito da formação do cérebro e da inteligência prenunciam enormes avanços e dão à Educação Infantil, em todo o mundo, um papel cada vez mais importante.

O que se descobriu? Em síntese, abrindo novas frentes de pesquisa com equipamentos de última geração, a Ciência está conseguindo mapear o que se teorizava ou intuía no campo da Educação e da Psicologia: como - e quando - se dá o aprendizado de certos conhecimentos fundamentais para o homem, como as habilidades matemáticas, musicais e lingüísticas, ou as respostas emocionais. Em linhas gerais, os pesquisadores descobriram que, sim, é verdade que o número de neurônios não aumenta durante a vida. Ao contrário, sofrem uma gradual redução. Mas são as conexões entre eles que realmente darão conta da incalculável quantidade de informações que começam a ser assimiladas pelos bebês tão logo abrem seus olhos pela primeira vez.

Existem 100 bilhões de neurônios no cérebro de um recém-nascido, e 5 trilhões de conexões nervosas, que chegarão a 1 quatrilhão nos primeiros meses de vida. Os cientistas dizem que não há tantos genes na espécie para determinar um número tão grande de ligações. Elas são formadas pela experiência, a partir dos estímulos recebidos e das hipóteses formuladas pelo indivíduo diante de uma nova situação. A partir da descoberta dessa extrema plasticidade do cérebro, que até os 4 anos alcança uma atividade que jamais se repetirá, os cientistas formam o conceito de Janelas de Oportunidade - importantíssimo para o futuro da Educação.

O que são as Janelas de Oportunidade? Tal termo denomina os momentos mais propícios de estimulação do cérebro para que assimile informações de determinada natureza. O sentido da visão, por exemplo, se forma até os dois anos de idade, descobriram os cientistas. Esse raciocínio parece se aplicar a outros campos. O aprendizado de línguas, por exemplo, atinge seu ponto ótimo dos três aos dez anos de idade, quando o cérebro está se formando para identificar fonemas da língua materna. É o mesmo caso do ensino de música. No caso da música, abre-se um novo eixo de descobertas. Os pesquisadores estão descobrindo (ainda de maneira não conclusiva) que há relação entre a percepção musical e a capacidade de raciocínio lógico-matemático, o que também dá novo relevo à educação musical.

O conceito de Janelas de Oportunidade abarca os aspectos emocionais. Na Universidade de Yale, nos EUA, os cientistas analisaram o efeito de mudanças perturbadoras em crianças, como traumas violentos. As reações químicas desencadeadas resultam em estruturas cerebrais que se identificam com o sentimento de hesitação e de vigilância permanente.

As conseqüências das descobertas advindas dessas linhas de pesquisa chegam a ser tão promissoras quanto inquietantes, e certamente vão causar grande impacto na Educação, tanto pelas mãos dos pais quanto dos educadores.

O primeiro impulso a ser controlado é o mais natural de todos que tomam contato pela primeira vez com o assunto. Não se deve cair no engano de um determinismo. Já se acreditou, por exemplo, que todo o futuro dos homens estava escrito em seus genes. Agora, a ênfase recai sobre as experiências dos primeiros anos de vida.

Mas isso não quer dizer que, uma vez fechadas as janelas, não haja mais possibilidades de aprendizado, ou que é possível formar gênios em programas de superestimulação. Tampouco o termo "estimular" tem a conotação de treinamento, como aulas intensivas de música ou de línguas para bebês.

Fundamentalmente, precisamos sim reconhecer que o papel dos pais e das escolas não deve mais se limitar a cuidados, a proporcionar diversão ou carinho. É preciso que leve em conta as oportunidades abertas pela formação biológica do cérebro, dentro de um projeto equilibrado.

Alguns aspectos hoje trabalhados pela Educação Infantil

Fundamentadas nas teorias mais contemporâneas a respeito da aprendizagem, as escolas mais preparadas desenvolvem trabalhos que vieram a ser corroborados pelas descobertas científicas recentes.

Entre os seus princípios, está o fato de que cada criança tem um processo individual de aprendizagem, que ocorre fundamentalmente em contato com seu grupo social e pela mediação do professor.

A Escola Móbile promove este desenvolvimento nas diferentes atividades diárias em que a criança é posta em contato com novas situações e estimulada a elaborar hipóteses e construir conhecimentos. Conheça alguns aspectos desses trabalhos:

O desenvolvimento lingüístico

Desde as primeiras palavras, a Escola busca situações em que a comunicação é necessária, e ajuda a construir o significado de uma linguagem que ainda é idiossincrática (ou seja, própria de cada criança). O trabalho não se dá somente no desenvolvimento da fala, mas da sintaxe da língua e da estrutura narrativa, principalmente. Um dos principais recursos utilizados nesta estimulação é o contar histórias, sempre de maneira interativa.

O desenvolvimento do raciocínio

O raciocínio lógico-matemático também deve ser (e é) trabalhado desde as séries iniciais, nas situações que envolvem a contagem, os registros e a comparação de quantidades, entre outras.

O desenvolvimento musical

Na Educação Infantil, a música é utilizada em diversos momentos, a fim de que a criança aprenda a reconhecer os sons organizados e a utilizar a voz como instrumento.

O desenvolvimento das áreas perceptivas

As áreas perceptivas do tato, olfato, gustação, visão e audição, que também devem ser estimuladas desde muito cedo, são trabalhadas intensamente na Escola, em atividades de artes, culinária, entre muitas outras situações de classe.

O desenvolvimento emocional

Um dos papéis mais importantes da Educação Infantil, hoje, é mediar de forma orientada e consciente as relações das crianças entre si e entre as crianças e os adultos. Nessa mediação se formam, e por isso podem ser trabalhados, os diversos aspectos das respostas emocionais do indivíduo, como a autoconfiança, a noção de limites e o autocontrole diante de situações adversas. Em linhas gerais, é um trabalho que promove o desenvolvimento de pessoas que se gostam, se aceitam e se integram de maneira produtiva com o outro, compreendendo-o e aceitando-o como uma pessoa única.

Para quem quiser saber mais sobre este assunto, ainda existe pouco material publicado no Brasil, basicamente notícias veiculadas pela imprensa.

Na Internet, porém, há um bom acervo de pesquisa. Tente estes sites:

Universidade do Texas
http://www2.tltc.ttu.edu

Brain Surges, by Dr. Amy DiCresce
http://www.med.wayne.edu

Neurosmith - tools for developing minds
http://www.neurosmith.com

Child and Family - Canadá
http://www.cfc-efc.ca

Artigos e reportagens de um site brasileiro
http://www.ipanema.com/babysite

Refletindo sobre Educação. São Paulo: Móbile, 2 (3), maio/junho 1998.

Helena Samara

Diretora Pedagógica da Educação Infantil da Móbile, Psicóloga

Área Exclusiva

Usuário   

Senha       

Agenda Cultural/Pedagógica e Esportiva

Escola Móbile

Educação Infantil: Rua Diogo Jácome, 818 - Tel: (11) 5536-4402  |  Ensino Fundamental e Médio: Rua Diogo Jácome, 848 - Tel: (11) 5536-4402